R. Tavares nasceu em Bagé, em 1986. Reside atualmente em Porto Alegre e é autor de Ainda que a terra se abra, Andarilhos, Noite Escura, Contos Sangrentos e A tropeada. É também o idealizador e curador do FestFronteira Literária, festival de literatura que ocorre anualmente em sua cidade natal.

LIVROS

ANDARILHOS

Seguindo a tradição das grandes narrativas históricas que se passam no Rio Grande do Sul, apresentamos o livro Andarilhos. Os protagonistas dessa belíssima narrativa são homens que vagam em busca de seu lugar no mundo, fugindo de um passado sempre à espreita e pronto (como um tigre na mata) a saltar sobre eles. Trata-se de um romance onde homens e mulheres vagueiam em busca de redenção.

 

 

NOITE ESCURA

A perseguição de uma testemunha ocular de um crime cometido por um assassino de aluguel que nunca deixa pistas. No interior do Brasil, um sujeito que estava no lugar errado e na hora tem que fugir para não acabar morto. Um thriller que não esconde suas influências na ficção de polpa (pulp fiction), porém trás as histórias de mortes e perseguições para o ambiente regional no Brasil.

 

capa-a-tropeada_aprovada

A TROPEADA

E OUTROS RELATOS.

Coletânea de contos regionais.

Contos Sangrentos - R.Tavares

Contos Sangrentos

O livro Contos Sangrentos reúne uma série de histórias que tem em comum o clima de terror, aliado à escrita segura do autor e um punhado de sangue. Nesse e-book, vemos desde beijos perigosos, seres mitológicos brasileiros e escritores sem pudores em busca da fama.

 

Inscreva-se para receber o primeiro capítulo de Ainda que a terra se abra

DEPOIMENTOS

Com esta novela habilmente construída, Rodrigo Tavares leva a um novo patamar sua exploração contemporânea da literatura gauchesca. A linguagem regional de "Andarilhos" cede lugar a um estilo mais seco e direto, no qual a tradição entra em simbiose com a modernidade e os mitos sobrevivem como agentes contaminantes no capitalismo globalizado. 
 
Daniel Galera
 
Mais do que uma voz literária talentosa, encontramos em Tavares um autor com um ponto de vista a mostrar. Ao se entrelaçar em suas reviravoltas e cenários cativantes, o leitor não consegue largar o livro. O ritmo de "Ainda que a terra se abra" é pulsante, mas aparentemente simples -- como a vida na fronteira gaúcha.
 
Luisa Geisler

Com "Ainda que a terra se abra", Rodrigo Tavares renova a tradição de uma certa literatura gaúcha que foca no campo para investigar as relações humanas que envolvem a família, a terra, o sul profundo do Brasil.  Faz isto com a habilidade de um escritor seguro dos seus meios, em uma novela ágil e conectada com a contemporaneidade, não só em aspectos que dizem respeito ao tema abordado mas também na forma como este é abordado.

Amilcar Bettega

BLOG

Três anúncios para um crime [crítica]

No último final de semana eu assisti ao filme “Três anúncios para um crime” (Three Billboards Outside Ebbing), dirigido pelo Martin McDonagh, que me impactou demais e colocou o dedo em algumas feridas. Uma mãe que perdeu a filha em um crime hediondo resolver colocar três anúncios em outdoors, cobrando a polícia local pela solução […]

arte da descontração por R.Tavares

Um pouco de marketing digital para o autor independente

Um fato que ninguém discorda: nunca houve melhor época para ser escritor do que nos dias de hoje. Seja com editoras tradicionais ou como autor independente, é possível ter uma carreira de sucesso alicerçada em estratégias de marketing digital. Além disso, existem autores que conseguem, além do sucesso com seus livros, ganhar muito dinheiro com […]

[Crítica] Yellowstone – Primeira temporada

Por culpa de algum algoritmo muito louco, que não conhece nem de perto os meus gostos, só fui descobrir a existência da série “Yellowstone” agora, no segundo semestre de 2020. Por isso, jamais a inteligência artificial poderá substituir os humanos. Um bom amigo, que conhece meus gostos, me avisou: Cara, assiste essa série. Certeza que […]

MAIS POSTS